SER MÃE É ... parte 3

maternidade real
                                                   Uma foto que resume muito bem o meu dia a dia de mãe

Você não precisa, e muito menos deve, passar por tudo isso só,
peça ajuda para alguém lavar a louça de vez em quando, 
segurar o bebê para você ter um tempo de descanso, 
um tempo para você.
Assim como não é bom idealizarmos o "modelo de mãe que quero ser",
não crie expectativas de como será o pai,
converse com ele ainda na gestação, 
tentem estabelecer algumas coisas para evitar conflitos.

O pai da Iara faz desde uma simples troca de fraldas até cozinhar, 
lavar o banheiro, espanar o teto,
mas ele sempre cuidou da casa, mesmo chegando cansado do trabalho,
e quando engravidei ele apenas continuou sendo ele mesmo, 
a diferença é que eu não fazia mais quase nada por que ele não deixava.

Mas nem todos são assim,
seja pela criação a qual recebeu,
ou pelo fato de você pensar que ele não saberá cuidar do bebê,
evitando um maior envolvimento dele com o filho.

Por mais que nem tudo saia como planejado,
conversar com o parceiro sobre o futuro, a nova rotina da casa após a chegada do bebê,
traz maior segurança, o diálogo sempre é a melhor solução.

Agora pense: Dar e receber a mais pura forma de amor,
de carinho, de atenção, é gratificante.
A maternidade também é colorida, alegre, feliz.

Há felicidade a cada nova gracinha do bebê,
tudo, tudo é motivo de emoção,
você tira mil fotos, filma, 
mostra para a família, amigos, todos a sua volta,
é o seu filho, sua preciosidade, você aguardava ansiosamente por tudo isso.

Há felicidade quando você acorda e ver aquele lindo bebê.
Há felicidade ao ver o primeiro sorriso ou gargalhada, são inesquecíveis,
Há felicidade ao ver o primeiro dentinho, que coisa mais linda,
e a primeira palavra então? você fica em êxtase, pula de emoção, ou até mesmo chora.

Há felicidade quando ele toca o seu rosto, beija, ou lhe abraça,
parece que o tempo congela naquele instante,
e nada mais importa, apenas gostaria que fosse eterno.

Por mais que poucos compreendem o "sumiço", o sumiço dos pais,
penso que está tudo bem, geralmente são pessoas que ainda não tem filhos,
ou são pessoas que acham que deveríamos deixar o bebê com os avós, com a babá, 
para assim curtir um fim de semana, 
ou o pior, que o pai não deveria se privar tanto, já que o bebê pode ficar com a mãe.

Mas acredite, por mais que seja difícil, 
que seja complicado se privar de algumas coisas,
aliás, de muitas coisas,
Nós escolhemos essa forma de criação,
é nossa responsabilidade, nossa função,
um dia ela crescerá, e tudo, ou quase tudo, voltará ao seu lugar, ou não,
vamos dar tempo ao tempo..

E o amor? Parece que não cabe no peito né?
Ele quer transbordar, você não se contenta em apenas amar seu bebê, 
quer que todos saibam disso.
Sim, o tempo passa rápido mesmo,
e você sabe que aquele pequeno bebê irá crescer, 
não vai mais pedir colo,
não vai mais fazer tanta questão de ficar com você,
quer descobrir o mundo, a si mesmo,
e é por esse motivo que precisamos aproveitar cada segundo, 
cada detalhe, cada momento, sem arrependimentos.

Amo tudo isso, amo quem me tornei, 
amo esse "novo eu" mesmo sendo tudo muito louco/magnífico,
não há um dia em que eu não ame ser o que sou,
simplesmente, Amo Ser Mãe.

SER MÃE É... parte 1
SER MÃE É... parte 2

6 comentários

 
Sentido Materno - 2015. Todos os direitos reservados ©
LAYOUT PRODUZIDO POR INVENTO DESIGN e MODIFICADO POR SENTIDO MATERNO - Imagens por Freepik | Powered by Blogger