MESA DE ÉPOCA JUNINA WALDORF


mesa de época waldorf

    Atualmente, como já citei em outras publicações, a Pedagogia Waldorf tem me proporcionado grande aprendizado e transformação de vida em vários aspectos,e a Mesa de Época é algo que estou amando preparar, pois é a partir dela que a criança enxerga a totalidade do que ocorre em determinada época do ano, nela são representadas as estações do ano, o céu, terra, animais, humanos e o plano espiritual. A criança se depara com a sua própria realidade, é o espelho do seu dia a dia, e é comum que ela acrescente ou remova algo da mesa várias vezes ao dia, e os professores ou pais precisam arrumá-la sempre que poder, pois a mesa não é um brinquedo.
  • As crianças pequenas vivem no presente constante, mas sem consciência. O tempo é melhor apreendido quando damos a ela uma referência rítmica. A mesa de época é um ótimo referencial. Neste espaço que escolhemos em algum lugar da sala, colocamos elementos e cores que trazem a época do ano e período cristão. Mas, os elementos não são escolhidos aleatoriamente, é preciso colocar elementos do mineral, vegetal, animal e do humano. 

  A criança também vivencia as épocas cristãs, aqui em casa não seguimos nenhuma religião, então não abordamos o cristianismo com nossa filha. Por mais que a pedagogia Waldorf não defenda ou ensine nenhuma doutrina religiosa em si, ela possui fundamentos cristãos, onde são claramente visíveis nas épocas do ano representadas nas mesas, como Páscoa, São João, Micael e Natal, a religiosidade torna um pouco mais complicada a vivência waldorf plena aqui em casa, mas buscamos trabalhar com ela a conexão entre o ser humano e a natureza.

   Quando apresentei a Mesa de Época da Páscoa para Iara, a intenção foi apresentar os conceitos de vida, morte e nascimento de uma nova vida, que a busca da mudança e melhoria em cada ser é possível, através do ciclo de vida da lagarta, e agora no São João, nos convida para o recolhimento, julgamento do EU interior e mudar o que for necessário.
  • "A Festa de São João, relembra São João ou João Batista, o homem que nasceu em 24 de junho e, através de suas atitudes na vida, trouxe a mensagem de que "devemos mudar nossos rumos para encontrar a luz", sugerindo que o caminho para isso é a meditação, a interiorização, a reflexão, pois São João nos ensina que todas as respostas estão e serão encontradas dentro de nós. Essa mensagem nos leva ao conteúdo da festa que é a Sabedoria, a capacidade de aprender algo a partir de nós mesmos. Devemos trabalhar em nós a coragem para um julgamento interior consciente; visando nosso amadurecimento como pessoa. Na época da Festa de São João, no nosso hemisfério, vivemos o inverno e o frio que favorece o recolhimento, a meditação, a necessidade de ficar quieto e em silêncio e se respeitarmos os momentos de recolhimento natural das crianças, tomando o cuidado para que o ambiente da casa esteja aconchegante, então estaremos permitindo que a criança viva intensamente esta festa."

   Em nossa mesa representamos a época junina através das Bandeirinhas; Roupas quadriculadas e chapéu de palha em nossos bonecos; Pipa que ela e o pai adoram empinar nesse mês de férias também se fez presente, e conforme a vó da Iara nos disse, o costume de empinar pipa, representa no plano espiritual, a elevação de nossas almas até as nuvens, para assim se deleitar com o vento da sabedoria, ajudando a trilhar o caminho; As plantas representam as árvores próximas de casa e também do sítio da família; Fogueira e Lanterna (a lanterna foi adicionada à mesa somente no dia da Festa da Lanterna) representam o fogo que aquece as noites de inverno, e esse mesmo fogo, representa a luz interior que cada um de nós carregamos, o fogo transformador que ilumina e guia nossos caminhos; Fantoches de dedo dos personagens da história da Menina da Lanterna que é apresentada no dia da Festa da Lanterna (também adicionados somente no dia da festa).


   Tudo foi feito por nossas mãos, eu e o papai fizemos a maioria do processo na frente dela, Iara ainda não participa diretamente da produção por ser muito pequena, mas como ela pediu e é de suma importância a criança participar dessas atividades, demos a ela tecidos, tesoura sem ponta, agulha de tricô para que fizesse a sua colaboração.Utilizamos feltro, tecidos 100% algodão, arames, pedras, galhos, madeiras, nos primeiros dias os bonecos ainda não possuíam cabelos e nem a cor da pele semelhante à nossa pois queria ver se ela já sabia nos identificar (mas o indicado é apresentar o boneco já finalizado, essa parte de apresentar os bonecos "crus" foi minha). Após alguns dias tingi o tecido do boneco da Iara e do papai com borra de café, e acrescentei o cabelo em todos eles, tentei ser o mais fiel possível.


   A primeira reação da Iara ao ver os bonecos na mesa foi de pegar um deles e dizer "Papai, óhhh papai", abraçou o boneco, beijou e devolveu à mesa, depois pegou todos os bonecos, abraçou e largou no chão, pedimos que ela devolvesse cuidadosamente, ela arrumou, depois foi ao jardim, pegou algumas pedrinhas e folhas e colocou sobre a mesa, diariamente ela fica observando, retira algo e depois devolve, as vezes deixa um pouco bagunçada, mas arrumamos na frente dela e ela em seguida nos imita e arruma.


"Mas por quê esses bonecos não tem olho, nariz, boca, nada?"
   Para quem não conhece a pedagogia waldorf, essa é uma dúvida bastante comum, inclusive perdi as contas de quantas vezes precisei responder essa pergunta, mas a resposta é simples, é necessário permitir à criança a estimulação de sua imaginação, e se houvesse uma reprodução fiel ao rosto humano como vemos em bonecas por aí, isso não seria possível, imagine por exemplo, uma boneca com sobrancelha, olhos grandes, e um mega sorriso, a criança que brincar com ela sempre a verá com a mesma expressão, mesmo olhar, mesmo sorriso. Um boneco sem "rosto" ou com pequenos pontinhos representando olhos e boca, faz com que a criança o veja sorrindo, chorando, dormindo, e tantas outras possibilidades. Os bonecos precisam ser semelhantes à criança, coleguinhas, e seus cuidadores, a minha pele por exemplo, é mais clara que a da Iara e a do Pai dela, então fizemos os bonecos de cores e cabelos diferentes.


   E você, conhecia as mesas de época?

Até a próxima :)

8 comentários

  1. Adoro a festa junina e a decoração ficou maravilhosa, essa bebe é muito fofa!

    ResponderExcluir
  2. Ser mãe é algo divino <3
    Criançada adora novidades , sua mesa ficou linda.
    Parabéns <3

    ResponderExcluir
  3. Amo Festa Junina, gostei muito da sua mesa e achei muito legal esse negócio dos bonecos!

    Beijos

    http://www.senhoritamarmelada.com/

    ResponderExcluir
  4. Muito legal a decoração. Fiquei encantada com esse conceito por trás dos bonecos sem rosto, muito interessante mesmo <3
    boa semana :)

    Red Behavior

    ResponderExcluir
  5. Que incrível.. Adoro Festa Junina.. não conhecia nada sobre mesas de época.. e adorei a ideia dos bonecos, pra estimular a criatividade! =)

    ResponderExcluir
  6. Acho a ideia da pedagogia Waldorf incrível e não conhecia essa da mesa, mas achei bem legal... A ideia de marcar o tempo, representar pessoas e elementos próximos e estimular a criatividade da criança é muito legal!
    Aaah, e achei incrível vocês conseguirem "separar" a questão religiosa, acho isso tão incrível principalmente para crianças... Não se obrigar a ensiná-la uma religião!
    Beijos!
    A Menina da Janela

    ResponderExcluir
  7. Que mesa linda! Esse mês fui em uma festa de aniversario com o tema de festa junina e a mesa ficou bem parecida com essa.

    www.aconteceucomagente.WordPress.com

    ResponderExcluir
  8. Gostei de saber sobre os bonecos sem rosto, realmente aguçar a imaginação e criatividade das crianças é muito importante. Estou gostando deste método. Beijos
    Charme-se

    ResponderExcluir

 
Sentido Materno - 2015. Todos os direitos reservados ©
LAYOUT PRODUZIDO POR INVENTO DESIGN e MODIFICADO POR SENTIDO MATERNO - Imagens por Freepik | Powered by Blogger